INDICADORES RELACIONAIS: UM TESTE PARA APLICAR COM SEU AMOR

Compartilhar

Indicadores-relacionais-300x300 INDICADORES RELACIONAIS: UM TESTE PARA APLICAR COM SEU AMORTalvez, ao ler este post, você considere o teste simplista e incompleto.

Você tem toda a razão.

bemos quais são nossos poucos valores inquebrantáveis, não os buscamos em nós e não solicitamos ao outro membro do casal que procure os dele, pela minha experiência, não dará samba por muito tempo.

Porém, você vai concordar comigo que a maioria dos casais mal sabe quais são as expectativas de cada um na relação.

Tenho um curso no qual aplico um questionário bem simples:

– Relacione por escrito, quais são as suas 5 coisas que jamais abriria mão em qualquer relação. Valores que, caso você abrisse mão, seria uma violentação, e no médio prazo, minariam o relacionamento. Não deve passar de cinco itens, com o risco de você tornar-se um chato!

Resultado: a maioria não chega a relacionar três. Diz que tem que pensar. E eu concordo. (Vai lá! Liste os seus cinco valores e peça para a sua cara metade fazer o mesmo. Coragem!)

Porém, quando não sa

A conclusão é que a maioria dos casais conversa pouco sobre ajustar sua afetividade.

Daí a ideia, há algum tempo, de criar um teste inspirado na minha experiência afetiva, para me ajudar a mensurar de alguma forma, esta plástica, volátil, subjetiva e irresistível experiência chamada amor.

Parece-me que o maior valor do teste é demonstrar a outra pessoa envolvida, que você está interessado(a) em aprimorar o que existe entre os dois. Embora os resultados deem muito pano pra manga.

Perdoe-me que ele seja simplista. Mas prefiro usá-lo, do que não saber como estou e como minha amada está, nesta jornada maluca, cheia de riscos, que chamamos relacionamento afetivo.

– E você, o que acha? O que você acrescentaria? Já fez alguma experiencia parecida? Conte aqui.


Compartilhar
Share on

OPINIÃO, SEMPRE ELAS!

Compartilhar

Palpite-300x300 OPINIÃO, SEMPRE ELAS!Certa feita, da década de 1990, quando trabalhava no Jornal O Estado, de Floripa, tive a oportunidade, junto com outros profissionais daquele veículo de comunicação, de conversar com um grande escritor e jornalista brasileiro, já falecido.

Foi um bate-papo descontraído que durou quase três horas, no qual o escritor mesclava opiniões geniais sobre muitos temas e outros julgamentos medianos, para não dizer medíocres, sobre outros tantos. Curiosamente, ele fazia afirmações, geniais ou medianas, de maneira contundente, como se fossem postulados irrefutáveis, porém, sempre gracioso e simpático.

Foi ali que percebi pela primeira vez, de forma contundente, que por mais que busquemos a verdade, o que nós podemos é apenas perceber e emitir opinião sobre uma parte dela.

Me parece que a nossa opinião sobre absolutamente qualquer coisa, sempre terá alguma distorção, pois ela representará apenas o nosso alcance da visão e cada um tem um alcance diferente.

Mas esta percepção de limitação de alcance de visão não se limita apenas aos jornalistas e escritores. Teremos que incluir os religiosos, os professores, os políticos, os juízes, seu cônjuge, seu pai, sua mãe, a si próprio e suspeito, tooooda a Humanidade.

E não significa, que a maioria de nós não se esforce por emitir, quase sempre, a opinião mais idônea que seu entendimento alcançar.

Com o passar das décadas, estas observações, me deram uma apreensão menos crédula e, simultaneamente, mais tolerante das opiniões alheias e das próprias.

Mas esta é apenas a minha opinião.

– E você? Como interage com a cambiante, contraditória e compulsiva mania humana de dar o seu pitaco em tudo?


Compartilhar
Share on

QUARENTA E QUATRO ANOS DE PROFISSÃO!

Compartilhar

pROFISSÃO-300x298 QUARENTA E QUATRO ANOS DE PROFISSÃO!Dia 13 de Maio de 1976, às 18 horas, saí do meu trabalho, pois ainda era funcionário público federal, e me dirigi ao provincialado do Coração de Jesus, em Floripa, na rua Hermann Blumenau.

Iria vivenciar minha primeira aula de SwáSthya, que foi ministrada pela saudosa e lendária profa. Dalva Arruda.

Aquela primeira aula foi o ponto de partida para uma transformação de karma e mindset. Ainda naquele ano, conheci o Professor DeRose e tudo mudou para sempre.

Desde então, foram mais de quatro décadas ajudando as pessoas a se conhecerem e fazerem escolhas mais alinhadas com seus sonhos e com a sua natureza.

Milhares de alunos passaram pela minha escola, viajei pelo mundo inteiro, conhecendo culturas diferentes e tendo a oportunidade de disseminar, através de milhares de cursos e palestras, a nossa mensagem para muita gente.

Escrevi 5 livros e mais quatro estão no prelo. E centenas de amigos para compartilhar tudo isso.

Que os próximos quarenta anos sejam ainda mais divertidos, ricos e intensos!

#DeRose #jorismarengo #derosemethod ##derosemethodfloripa #profissão #floripa #florianopolis #yoga #autoconhecimento #meditação

 


Compartilhar
Share on

ESCOLHAS & TATUAGENS

Compartilhar

tATOOO-300x300 ESCOLHAS & TATUAGENS

 

Desde sempre, as escolhas marcam o nosso destino, e dai a importância de desenvolvermos um coeficiente maior de auto conexão, pois, até

aonde alcanço, ela é a chave para alinharmos vida, escolhas e destino.

Nesta ilustração faço uma metáfora entre tatuagens e escolhas, já que tanto uma quanto a outra, uma vez executadas, sempre deixarão um rastro que não poderemos apagar de todo.


Compartilhar
Share on

DICA DE LIVRO

Compartilhar

pESSOA-300x300 DICA DE LIVRO
O Guardador de Rebanhos, 45 anos depois que li pela primeira vez, continua fresco, vivo e delicioso a cada nova releitura. Grande Alberto Caeiro, o Mestre Ingênuo.

Se você já leu, deixe aqui a sua experiência


Compartilhar
Share on

STRESS & RESPIRAÇÃO

Compartilhar

Stress-1024x1024 STRESS & RESPIRAÇÃO

O estresse é a reação natural de todos os organismos vivos diante de qualquer modalidade de ameaça, seja ela real ou imaginária. Quando intimidados, não é o que está realmente acontecendo que interessa, mas como cada um de nós interpreta o que está acontecendo.

Todas as vezes que nos defrontamos com uma ameaça, real ou imaginária, nosso corpo libera uma série de hormônios que visa aumentar nossa chances de enfrentar ou escapar da ameaça.

Esta overdose de hormônios fazem a diferença na qualidade da reação que teremos diante do perigo eminente. Porém, quando nosso estilo de vida é caracterizado por uma quantidade recorrente de experiências aparentemente ameaçadoras, o que acontece é que ficamos literalmente intoxicados desses hormônios.

Como eles são feitos para a confrontação ou fuga, os resíduos desses hormônios nos deixam continuamente anciosos, dispersos e angustiadas, diminuindo a qualidade do nosso sono, da nossa concentração, da nossa criatividade e da nossa imunidade.

Por isso, qualquer ferramenta que nos ajude a diminuir esses graus de substâncias importantes, porém tóxicas quando em excesso no nosso organismo, serão sempre bem-vindas.

Uma das mais eficientes é a respiração reeducada, que propociona, instantaneamente, uma redução nos graus de ansiedade e vulnerabilidade diante das ameaças, pois desloca nossa atenção para uma posição muito interessante. A respiração profunda, ampla e consciente, afasta o nosso foco do problema, fazendo com que olhemos-lo como observadores.

Ao diminuirmos a identificação com o problema, fica muito mais fácil tomar decisões menos adrenalinizadas e mais racionais.

Por isso, fico tão impressionado com a eficiência das técnicas respiratórias do DeRose Method e seus resultados sempre potentes e muito eficazes, e que vem ajudando a gerir o meu stress há 43 anos.

– Bora respirar?

Salve e compartilhe este post com quem precise

#respiração #jorismarengo #derosemethodfloripa #derosegamadeça #stress #foco #concentração


Compartilhar
Share on

Dicas do Jojó Marengo: Desvendando Miles

Compartilhar

Miles-Davis-1024x1024 Dicas do Jojó Marengo: Desvendando Miles

 

Gostei e compartilho com você:

Desvendando Miles Davis /Marcelo Rubens Paiva/ 12 de março de 2020 |Estadão

– Miles Davis era um gênio? Yes, sir…

-Existe a era antes e depois de Miles Davis? Yep.

-Por quê?

Um documentário da Netflix (Birth of the Cool) desvenda em duas horas o enigma Miles Davis. Aliás, por ele mesmo, já que ouvimos em off trechos da sua autobiografia.

Desvendamos o trompetista que nasceu de uma família rica, virou figurante de uma banda com Charlie Bird Parker e Dizzy Gillespie, na explosão dos clubes de jazz da Rua 52, viciou-se em heroína e, curado, numa exibição no festival de jazz de Newport, mudou o bebop, o mundo do jazz, da música.

Ele fez uma música para ser contemplada de olhos fechados, como os mestres eruditos que estudou em Nova York na Julliard School.

Fez uma música para ser sentida, que invadia a alma, alterava a frequência cardíaca. Virou sinônimo de chique. Fez sucesso na Europa. Conviveu com Picasso e Sartre. Penetrou no difícil público branco norte-americano.

Inventou o cool jazz e o jeito cool de ser. Fez uma música introspectiva, para dentro. Obrigou o público a se sentar e ouvir. Inventou o jazz modal.

Sua revolução não parou aí.

Ao mudar de gravadora, Columbia, precisava entregar às pressas quatro álbuns para a antiga, Prestige. Em três dias. Entregou quatro obras-primas. Estava inventada a jam session: música como um fluxo da consciência.

Fez o disco de jazz que mais vendeu na história: Kind of Blue.

Sempre se cercou de jovens talentos, a quem dava asas: Chick Corea, Herbie Hancock, John Coltrane, Wayne Shorter, Thelonious Monk, George Coleman, Kenny Garrett, o baterista Tony Williams, Gil Evans e o guitarrista John McLaughlin. Os vivos falaram no documentário.

Foi para a França e compôs a trilha do filme Ascenseur pour l’échafaud de Louis Malle, com músicos franceses: improvisavam diante da tela, enquanto Jeanne Moreau caminhava perdida pelas ruas de Paris; queria traduzir o sentimento da personagem. O disco fez tanto sucesso quanto o filme.

Inspirado por um show de música flamenca que viu em Barcelona, passou a fazer do trompete uma voz humana. Depois, incluiu batidas indianas.

Mudou radicalmente o estilo depois dos turbulentos anos de 1968-69. Fundiu o jazz com o funk. Inventou o fusion.

Lotava shows. Seus discos vendiam muito. E, sobretudo, era um ídolo da comunidade negra, pois peitava os brancos, vestia-se magistralmente, estiloso, casado com a mulher negra mais desejada, a dançarina Francis, e sempre dirigia uma Ferrari.

Fica provado: Miles é um semideus.


Compartilhar
Share on