• PorJoris Marengo
  • Publicao:jun 12, 2018
  • Categoria:Sem categoria
  • Tags:

O ESCORPIÃO, A RÃ E AS NOSSAS INGÊNUAS EXPECTATIVAS.

Compartilhar

Expectativa-300x159 O ESCORPIÃO, A RÃ E AS NOSSAS INGÊNUAS EXPECTATIVAS.

Um escorpião solicitou à uma rã auxiliá-lo a cruzar um rio, porque não sabia nadar.
A rã obviamente negou-se:
– Claro que não! Não quero morrer aguilhoada pelo seu ferrão venenoso – e afastou-se um pouquinho do invertebrado artrópode.
Sorrindo, o escorpião contra-argumentou:
– Se eu atacar você, ambos morreremos afogados e eu não desejo morrer.
A rã pensou um pouquinho e convencida pela arguição, concordou.
O escorpião subiu nas costas da rã e iniciaram a travessia. Ainda desconfiada, a rã nadava cautelosamente.
No entanto, quando chegaram ao meio do rio, surpreendentemente, o escorpião cravou seu ferrão na pobrezinha da rã, ferindo-a mortalmente.
Já fraquejando, sentindo os efeitos do veneno, a rã perpetrou uma última pergunta ao escorpião:
– Por que fez isso? Agora nós dois vamos morrer.
E o escorpião antes de afogar-se, respondeu:
– Desculpe-me, não pude evitar. É a minha natureza.
Assim somos nós. Mentimos recorrentemente, jurando e desejando não mentir, mas soçobramos implacavelmente. Acordamos determinadas coisas e jamais conseguimos cumprir o prometido, embora prometamos de pés juntos que desta vez, conseguiremos cumprir. Aqueles outros roubam, ou são desleais, negociam de forma nebulosa, ou ainda são não resistem a falar mal dos demais.
Prometemos que mudaremos nosso comportamento, mas a gigantesca maioria de nós naufragará repetidamente por toda a vida. É a nossa natureza
Estou falando dos nossos familiares, amigos, clientes, cônjuge, companheiros de trabalho, fornecedores etc. Todos, absolutamente todos nos decepcionarão em algum momento das relações, sejam mais ou menos íntimas.
Esperamos reciprocidade por parte de todas estas pessoas. Que nos tratem, nos valorizem ou sejam agradecidas, proporcionalmente ao grau de entrega, generosidade e confiança que depositamos nestes vínculos.
Ledo engano.
A natureza humana não é linear. É contraditória, oscilante, instável, mutável, incerta.
E para piorar a instabilidade do nosso comportamento, não somos iguais com todas as pessoas. Alguns são categoricamente honestos, mas mentem para uma única pessoa. Ou só falam mal dela. Ou escolhem um grupo cultural pra crucificar, embora paguem escrupulosamente todos os impostos, frequentem a igreja aos domingos e sejam inteiramente devotados ao consorte.
Todas as pessoas da sua vida irão lhe decepcionar enquanto esperar que elas comportem-se para além de natureza delas.
Tenho amigos deliciosos, simpáticos, engraçados, mas que jamais deverei emprestar dinheiro ou fazer negócios.
Outros só abrem a boca para mentir, porém são extremamente divertidos. Apenas não acredito em nada do que falam.
Outros ainda fazem acordos comigo que jamais cumprem. Eu digo que está tudo firmado, mas não espero que cumpram o prometido. Eles não sabem o que isso significa.
Cultivo amizade há muitos anos com uma figura de valores éticos quase fundamentalistas, entretanto, de pouquíssima tolerância para com as variantes sexuais humanas. No entanto, é de uma cultura única e me proporciona boas horas de ótima conversa.
E tenho uma amiga perdulária, que deve para todo mundo, contudo com um coração do tamanho do mundo e cozinha maravilhosamente bem. Adoro conviver com ela, mas não lhe empresto dinheiro.
E ainda tem os que jamais conseguem chegar na hora. Estes são de morrer!
Diante deste cipoal de atitudes colidentes, através do tempo, optei amar muitas destas e outras improváveis, inesperadas naturezas humanas. Imperfeitas e contraditórias, reuni em torno de mim, pela vida afora, pessoas de todos os tipos e ao invés de esperar, ilusoriamente, que espelhem as minhas expectativas, exercito diariamente, amá-las imperfeitamente.
Confesso que não é fácil e muitas vezes, bastante frustrante. Mas foi o que escolhi para mim.
E quem sabe assim, torcendo sem expectativas, que talvez perdoem meus inúmeros defeitos.

Compartilhar
Share on
Joris Marengo
Joris Marengo