• PorJoris Marengo
  • Publicao:jun 05, 2018
  • Categoria:Sem categoria
  • Tags:

OS TRÊS DESAFIOS PARA VOCÊ MEDITAR

Compartilhar

Meditador-menor-216x300 OS TRÊS DESAFIOS PARA VOCÊ MEDITARMeditar é simples e muda a nossa maneira de perceber o mundo a nossa volta.

  • Nosso cérebro se mantém jovem;
  • Aprendemos mais e melhor;
  • Ficamos mais vitalizados;
  • Potencializamos o foco;
  • Reduzimos a ansiedade;
  • Controlamos o stress e
  • Ficamos mais intuitivos

Consiste em ficar 5 minutos diários sem fazer. No início, tudo será muito desafiador. Começando pelo corpo, envenenado de substâncias excitantes, programadas para mantê-lo em atividade. O leitor simplesmente não conseguirá parar: sentirá dor nas costas, coceiras, desconforto nas articulações etc.

O primeiro desafio à meditação: o corpo tenso

Seu primeiro desafio será conduzir, dia após dia, a mudar o seu corpo: redimensionando sua alimentação, reduzindo a ingestão de alimentos estimulantes. Leia com atenção: reduzir, e não eliminar. Nutrientes estimulantes sempre foram utilizados pelos hominídeos, tais como o açúcar, chimarrão e café, para aumentar seus coeficientes de vitalização momentânea, competitividade e agressividade. O problema está no uso contínuo, ininterrupto destes e outros estimulantes, pois produzem dispersão, alimentando a superficialidade e o foco apenas na realidade externa, de sobrevivência e relações.

Também reeducará seus músculos e articulações, tornando seu corpo mais elástico e mais confortável. A contração muscular crônica engessa o corpo, tornando-o rígido. Esta austeridade muscular foi desenvolvida como mecanismo de defesa, para diminuir a sensibilidade à dor, vinda de alguma ameaça externa potencial. Como efeito colateral, esta tensão gera muito desconforto físico, má postura, dores nas costas e ombros, respiração contida e outras disfunções morfológicas, dispersando a atenção e assim, dificultando a prática da meditação

O DeRose Method oferece um sistema de reengenharia ósteo-glânglio-nervo-vícero-muscular completo chamado ásana. Com ele, se obterá resultados rápidos e duradouros, adquirindo flexibilidade articular, elasticidade muscular, reajustamento postural, regulação endócrina e equalização nervosa.

O segundo desafio à meditação: as emoções galopantes

O segundo desafio será o aquietamento das emoções, dos humores. No começo, advirá uma inquietude, um desassossego, melancolia e irritabilidade. Será a hora de conduzir as emoções a uma equalização.

Existe uma relação estreita entre padrões respiratórios e emoções. Respire-se superficialmente e se obterá estados emocionais semelhantes. Se a respiração é arrítmica, os sentimentos também oscilarão. Como o desfrute da meditação evoca um fluxo aéreo lento e profundo, refletindo um estado de consciência ampliado e introspectivo, necessitaremos reeducar a respiração, tornando-a mais lenta, consciente, nasal, completa, silenciosa e prazerosa. Também poderemos aumentar a capacidade respiratória para gerar maior oxigenação cerebral.

O técnica de descontração muscular progressiva, oferecida por nossa metodologia, é uma das práticas do mais eficientes no aquietamento das emoções e consiste em reproduzir artificialmente o estado psicofísico do sono, porém mantendo o praticante acordado durante todo o exercício. Seu impacto sobre o sistema nervoso autônomo provoca um saudável balanceamento entre sistema nervoso simpático e parassimpático, determinando bem-estar e pacificação emocional imediata.

O terceiro desafio à meditação: a mente inquieta

O terceiro obstáculo para a conquista do não fazer ou meditação é silenciar os pensamentos. Normalmente, leva-se um grande susto, ao iniciar o disciplinamento do pensar: choca-nos a percepção de que existe uma mente compulsiva, possessiva ao não permitir que se possa experimentar outros estados de consciência e ciumenta por não abandoná-lo em momento algum!

Para saborear o ócio contemplativo requer-se o realinhamento do pensamento e uma mudança no foco. Desta forma, o praticante não está identificado com os pensamentos. Apenas os observa.

Existe uma gama gigante de técnicas para suspender a atividade do pensamento. No entanto a prática disciplinada, curta e diária da concentração da atenção em uma única coisa, seja uma imagem, som ou sensação, é o mais eficiente feixe de exercícios à disposição daquele que tem o intuito de promover o estado do não fazer ou ócio contemplativo.

Quando se alcança a perfeição neste treinamento de concentração, acontece o fenômeno neurológico da parada total das atividades mentais.

Finalmente, estaremos prontos para desfrutar da meditação Corpo, emoções e pensamentos já não serão como três cavalos indomáveis conduzindo a vida. Foram adestrados, porém sem castrá-los. Os corcéis estarão presentes, potentes, vivos e intensos, conduzidos para os caminhos que elegemos. E agora, escolhemos aquietá-los durante apenas 5 minutos diários.

Aquietaremos nossos corcéis do fazer e mergulhará num necessário e revitalizador oceano de silêncio. Isto é a meditação.

Se desejar auxílio para aprender a meditar, podemos ajudar você: whatsApp: (048) 99845-8780

 


Compartilhar
Share on
Joris Marengo
Joris Marengo