• PorJoris Marengo
  • Publicao:fev 18, 2018
  • Categoria:Sem categoria
  • Tags:

UM MORCEGO EM MINHA VIDA

Compartilhar

Morcego-PNG-300x150 UM MORCEGO EM MINHA VIDA

No início dos anos 70, ainda adolescente, uma das modas da época era ler os livros de Carlos Castaneda. A erva do diabo, Uma estranha realidade e Viagem a Ixtlan, entre outros títulos, permeavam a imaginação de toda uma geração.

Carlos Castaneda era um antropólogo estadunidense, formado pela Universidade da Califórnia e que na busca por material para a sua dissertação de mestrado, associou-se a um feiticeiro yaqui, Don Juan Matus, índio da tribo Yaquis, do deserto de Sonora, no México.

As obras de Castaneda apresentavam aos leitores os elementos de uma rica, antiga e complexa tradição, cultuada pelos índios yaquis, denominada Caminho do Conhecimento. Don Juan preconizava que haviam outras formas, mais poderosas, de entender a realidade além dos padrões comuns e, através de um organizado grupo de técnicas e conceitos, quebrar a percepção corriqueira do mundo, permitindo ao vivente ou homem de conhecimento, divisar a existência de outros modelos da realidade.

Nas leituras, me impressionava muito a menção ao aliado, feito pelo bruxo à Castaneda. Na minha interpretação, o aliado era uma entidade sobrenatural que, uma vez dominada, tinha poder de levar os viventes a expandir sua consciência e dominar outras realidades. E eu queria muito dominar estas realidades paralelas. Embora não tivesse a mínima ideia do que elas significavam!

Estava fascinado com a possibilidade de conquistar um aliado como nos livros do autor. Então tomei a decisão de conectar com um deles. Nos livros, muitas vezes, eles eram representados por entidades semelhantes a animais e depois de vasculhar o meu imaginário na procura de um que, para mim, bem representasse um aliado, elegi um morcego.

A partir da minha decisão, passei a ouvir guinchos sussurrados de morcegos a todos os momentos e em qualquer lugar: andando nas ruas, em casa, no cinema etc.

Ao acordar, lá estava presente o som agudo do morcego. A partir daí, muito influenciado pelas leituras, associados a presença do suposto aliado, progressivamente a realidade cotidiana começou a mudar. Uma recorrência gigante de coincidências pululavam insistentemente no meu dia-a-dia, tais como, por exemplo, pensar numa pessoa e ela aparecer, desejar alguma coisa e ela me ser oferecida, ou ainda prever eventos.

O volume de experiências de sonhos lúcidos aumentou exponencialmente e inexplicavelmente, tinha uma impressão muito forte que as plantas, os animais e os elementos da natureza comunicavam-se comigo.

Muito influenciado por essas percepções e a relação com o aliado morcego, paulatinamente, fui mergulhando num mundo imaginário fascinante, porém assustador. Progressivamente, durante alguns meses fui me afastando das pessoas e submergindo naquela realidade de experiências mágicas impressionantes, que foram me absorvendo mais e mais.

O mundo naquele breve período da minha vida foi ficando cada vez mais colorido, porém mais solitário. A presença onipresente do som agudo do morcego estimulavam minha imaginação e coragem para experimentar percepções internas, que já existiam, mas que a racionalidade jamais permitiu que aflorassem.

Passado algum tempo, apesar da fascinação, meu instinto de sobrevivência começou a emitir sinais de que talvez aquele fosse um caminho sem volta, muito parecido com aqueles que utilizam alucinógenos e depois não conseguem voltar da experiência na qual estavam imersos. Vale aqui ressaltar que todas as minhas vivências foram desfrutadas sem o uso de drogas.

Diante deste risco, embora bastante contrariado, tomei a decisão de desvincular-me do meu amigo morcego.

Depois de alguns dias, parei de ouvir os guinchos do morcego e rapidamente aquelas experimentos subjetivos, mágicos, desapareceram por completo e a minha vida retomou o seu rumo conhecido e seguro.

Nesta época eu ainda morava com os meus pais e irmão, no centro de Floripa. Passado umas duas semanas, em uma manhã, enquanto tomava meu desjejum, de repente ouvi gritos estridentes vindos da parte da frente da nossa casa.

– Meu Deus! Meu Deus! – alguém exclamava. Identifiquei a voz de um dos meus queridos irmãos.

Quando abri a porta, o pequeno Rubem segurava pelas pontas das asas abertas um morcego gigante, morto! Até hoje, quando me lembro da cena, corre um arrepio de susto pelo meu corpo.

Acredite se quiser.

 


Compartilhar
Share on
Joris Marengo
Joris Marengo